Depressão na Terceira Idade


Por Fernando Ferreira Filho**

Segundo a psicologia geriátrica, a depressão não é um "ingrediente natural" no processo de envelhecimento. Sem dúvida, o processo de envelhecer traz uma série de desafiadores problemas que incluem deficiências físicas, perda de familiares e amigos, o aumento da dependência em relação aos outros, e assim por diante.

Uma consequência muito freqüente dessas condições é a depressão. De 15 em cada 100 pessoas com mais de 65 anos no mundo são atingidos por ela. Mas isso não quer dizer que a depressão anda, naturalmente, atrelada ao processo de envelhecimento.

Além disso, quando a depressão no idoso é identificada e ele se dispõe a iniciar o tratamento, o ideal é levá-lo em várias frentes, ou seja, tratamento médico e terapêutico, com o uso de antidepressivos, podendo ser associados à homeopatia e aos florais de Bach. Com esta "atenção" dada aos doentes, eles têm uma recuperação excelente, melhorando significativamente sua qualidade de vida.

Para quem luta com a depressão, essa situação pode parecer incapacitante, sem fim, junto a problemas que incluem perda de apetite e insônia. Entre os idosos, especialmente, a depressão pode levar à somatização de doenças físicas e a acidentes que levam a uma incapacitação física.

E a depressão é também a principal causa de suicídio entre os idosos. Segundo estudos, a ligação entre a depressão geriátrica e o suicídio é mais proeminente em homens com idade acima de 80. A falta de tratamento, na maioria dos casos, não é devido à falta de recursos médicos ou terapêuticos. Setenta por cento dos idosos vítimas de suicídio foram examinados por um médico nos seus últimos 60 dias de vida. Talvez, como a estatística indica, os médicos e cuidadores é que não estão atentos aos sintomas da depressão.

Ao reconhecer os sintomas depressivos nos idosos, fica mais fácil fazer o que tem que ser feito. A depressão clínica é uma das doenças mais conhecidas entre os médicos e terapeutas em todo o mundo, mas pode ser camuflada e muito esquiva em uma pessoa idosa. Por um lado, as desordens físicas e cognitivas que afetam os idosos podem abranger os sintomas depressivos. Por outro lado, as pessoas idosas podem ser mais relutantes em buscar tratamento para a depressão, por causa de um estigma social ou simplesmente porque não há ninguém com quem conversar ou desabafar. Como resultado, os cuidadores e profissionais de saúde muitas vezes não podem detectá-la a tempo.

Por isso, devemos ficar atentos com nossos idosos. Se por algum motivo ligado a desavenças do passado for difícil ter por eles uma atenção maior, um carinho ou amor, que pelo menos possamos ter compaixão do ser humano que já viveu bastante. E nos lembrarmos de que somos mortais, que pela lei natural da vida, seremos também idosos.

E pensemos... Como gostaríamos de ser tratados? Pergunta difícil? Então vamos refletir.
**Fernando Vieira Filho é Psicoterapeuta e autor deste blog.
Fernando Vieira Filho é psicoterapeuta, é especialista em Terapia com Florais de Bach e autor do livro - Cure suas Mágoas e Seja Feliz! - Barany Editora - São Paulo 2012
(55 11) 99684-0463 (São Paulo e Brasil)
(55 34)  3077-2721  (Uberaba)
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário