CLIENTE INDIGNADO - PESSOA-ESPINHO


Por Fernando Vieira Filho(1)

Certo dia um cliente, indignado, comentou comigo sobre uma agressão verbal gratuita que havia sofrido em um encontro familiar de fim de semana.


Eu disse a ele: - Perdoe essa “pessoa-espinheiro”!

Ele, sem entender, questionou curioso: - Pessoa-espinheiro?

E eu respondi: - Sim. É aquela pessoa que recebe flores da gente e que, de forma impulsiva, devolve com a peçonha bem escondida sob a língua maledicente. É alguém que diante de estranhos solta palavras com o verniz do “politicamente correto”, mas que, no recesso familiar, não consegue esconder a víbora que existe camuflada em sua alma.

E, diante do espanto de meu cliente, eu completei: - Não se assuste caro amigo, porque você não vai conseguir mudar a natureza dessa pessoa. Portanto, no silêncio de seus pensamentos, exercite o perdão, para não se contaminar com o veneno alheio.

E o cliente incomodado retrucou: - O difícil Fernando, é que estas pessoas parecem que flutuam num ar de impunidade. E sempre se apoiam sobre a lembrança de alguém muito querido e respeitado, que se foi. E se aproveitam disso para o resto de suas vidas. É triste, eu sofro com isso.                                                                                               Então disse ao cliente para concluirmos o assunto: - Caro amigo, geralmente estas pessoas se “escondem”atrás da memória de entes queridos, falecidos, que foram, de certa forma, benquistos e de grande projeção na comunidade em que viveram. Assim instilam seu “veneno” verbal, de forma, eu até acredito, inconsciente.                                  Pois a sociedade e os amigos gratos ao falecido e, como forma de homenagear sua memória, os toleram e até tentam protegê-lo perante a comunidade.

(1) Fernando Vieira Filho é psicoterapeuta, é especialista em Terapia com Florais de Bach e autor do livro - Cure suas Mágoas e Seja Feliz! - Barany Editora - São Paulo 2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário